09 jul.
a
23 jul.
O CÃO DE KAFKA - Versão LINEAR
46
Evento

09/07/2021 21:00 até 23/07/2021 21:00

gratuito

Classificação Livre

on-line São Paulo / SP
Visitar site

Descrição

O CÃO DE KAFKA

O espetáculo online O Cão de Kafka, é inspirado no conto “Investigações de Um Cão”, de Franz Kafka. A encenação é inédita no Brasil.

A concepção e direção é de Marcya Harco e tem como protagonista o ator Paulo Drumond.

A dramaturgia de O Cão de Kafka é expressa por elementos imagéticos e camadas sonoras mescladas a trechos primordiais, os quais sintetizam a natureza da obra kafkiana.

O espetáculo propõe a integração da linguagem teatral a recursos audiovisuais e conexões. Ancora-se na circunstância dialógica entre o ator, espectador(a) e o espaço virtual, criando um campo de interação.

Há duas versões do espetáculo online: Linear e interativa. Na linear o vídeo corre dentro dos padrões do canal Youtube já conhecido pelo público. Na versão interativa, o Sympla redirecionará a pessoa à plataforma Eko Studio, onde é possível interagir com algumas cenas, permitindo escolher um ou outro ângulo de câmera, induzir uma ação do ator ou mudar o som da cena, sempre através de ícones gráficos que aparecerão na tela nesses momentos. Caso não clique em nenhum deles, a sequência decorrerá normalmente.

O desafio para a realização do espetáculo no formato de um videoteatro interativo, só foi possível pela atuação da equipe parceira Emergência Cuadrante, coordenada por Tatiana Travisani e DeCo N.

A encenação é baseada em trechos da obra de Kafka, na qual o personagem principal, um cão, conta para a sua plateia algumas experiências marcantes, em épocas variadas de sua vida, desde a infância até a velhice. Essa plateia, o público, é referida pelo cão como a sua própria comunidade de cães. Como um cientista, um pesquisador, ele realiza uma análise metafísica e existencial de seu estado. Recorre a indagações sobre a origem do alimento no mundo, levantando questões sobre a fome, a arte, a cultura e a natureza das coisas.

Entremeando e interferindo nessa narrativa, por meio de elementos dramáticos e performativos, a encenação vai suscitando, imagética e sonoramente, momentos que são, sensações, sonhos, perturbações, angústias, dores, alegrias de infância do personagem.

O cão protagonista apresenta racionalidade lógica e emocional e em nenhum momento faz referência a qualquer presença humana. Tudo está centrado em seu mundo “caninocêntrico”, discorrendo suas ânsias e peculiaridades sobre a comunidade de cães, a qual o rodeia.

O Cão de Kafka propõe aos espectadores cogitar experiências sobre o sentir, relembrando às habilidades mais apuradas dos cães, como o olfato, a audição e a visão, aguçando um estado de curiosidade investigativa a respeito da razão humana, da ética e da animalidade latente.

Kafka faz surgir o animal em muitas de suas obras. A metamorfose e o devir estão presentes nelas. Defende o indecifrável e o incompreensível que inflige os mundos dos humanos e dos animais, permitindo que eles guiem suas formas de escrita. No espetáculo O Cão de Kafka, entramos em devir entre o ator e o animal cão, convidando o(a) espectador(a) a “performar” mentalmente, a reelaborar a sua poética em um processo de devir-animal.

E o que é o devir-animal? Não se trata de imitar um animal, mas dispor uma consciência desse animal, uma vivida proximidade com ele. A sua própria forma vital não é necessária, mas sim, captar o vislumbre do dinamismo do animal em uma visão intuitivamente estética. Em O Cão de Kafka, o ator Paulo Drumond entra em devir-cão, um limiar fronteiriço entre o distanciamento e a aproximação com o animal.

O Cão levanta questões relacionadas a fome e a solidão, entre outras. Edward Osborne Wilson, um dos mais destacados biólogos da atualidade, argumenta que estamos vivendo na era dos Eremocenos ou seja, a Era da Solidão. A humanidade, perdendo a possibilidade de ter uma relação aberta com a alteridade, perde, de modo inevitável, sua posição simbólica na Terra e sua própria identidade. Este processo de desertificação chamado de Sexta Extinção poderia ser o maior crime cometido pela humanidade nos últimos 200 mil anos de história. Um crime contra a vida em si e toda a sua estrutura.

À luz dessas premissas, surge a convicção de que uma investigação filosófico-cultural se deve às raízes profundas dessa possível e iminente "Era da Solidão". O espetáculo O Cão de Kafka propõe a aproximação do(a) espectador(a) desse universo dos devires, não como um(a) contemplador(a) em passividade, mas sendo convidado(a) a vivenciar uma experiência significativa, participar do ato criativo em devir, como um norte para o entendimento de si mesmo e do outro, seja animal, vegetal ou mineral.

O cão narrador, em sua análise enigmática diz em determinado momento: “Cães assim como você e eu.” Ao recorrer ao espectador(a) (você e eu) como se nós também fossemos cães, Kafka delicadamente convida a nos assemelhar com o cão investigador, levando-nos imaginar sob o ponto de vista desse animal. Essa identificação nos leva a um devir-outro, um processo de reconhecimento, de empatia, sugerindo caminhos, através da temática ou da forma que cogitam questões importantes sobre os limites da humanidade.

Ficha Técnica

O Cão de Kafka

Concepção e Direção – Marcya Harco

Inspirado na obra de Franz Kafka, “Investigações de Um Cão”

Texto – Trechos e adaptações desenvolvidas em improvisações com o ator, com base do original alemão “Forschungen eines Hundes”, editado por Gustav Kiepenheuer e das traduções de Modesto Carone, Marcya Harco, Paulo Drumond e LeBooks

Ator – Paulo Drumond

Coreografia – Marcya Harco (adaptação da obra coreográfica de Vaslav Nijinsky para a “A Sagração da Primavera”, de Igor Stravinsky)

Produção Executiva – Emergência Cuadrante

Criação audiovisual – Tatiana Travisani

Trilha original – DeCo N. // Alexandre Marino

Direção de arte – Ivan Ferrer

Direção de Fotografia – Andy Barac

Projetista de Som – DeCo N. // Alexandre Marino

Mixagem e finalização de áudio – Alexandre Marino // Estúdio Arranhador

Criação de Interatividade – Tatiana Travisani // Andy Barac

Projeção – Tatiana Travisani // Ivan Ferrer

Edição de Projeção – Mariana Furukawa

Captação de Imagem – Michel Botto

Iluminação – Andy Barac

Imagens Aéreas – William Lima

Assistência de Fotografia – Mariana Furukawa

Captação de Som – DeCo N. // Alexandre Marino

Edição de vídeo e Pós-Produção – Andy Barac

Mariana Furukawa

Figurinos e adereços – Ivan Ferrer

Assistência de Arte – Raquel Borges

Costureira – Iolanda Ferreira

Assistentes de Produção – Bruno Alves

Mariana Furukawa

Raquel Borges

Making of – Barbara Jadeh

Criação Gráfica – Daniela Benite

Impulsionamento / Divulgação – Nathy GBS Marketing Digital

Assessoria de Imprensa – COMBO Comunicação

Administração – Sonhos de Uma Noite Produções Artísticas

Realização – Cia. Lúdica (https://www.cialudica.com.br)

Agradecimentos:

Pitter Guimarães

Alexandre Martins

TimeVeg

Gravado no estúdio da VTV Filmes SP

Projeto contemplado pelo Edital ProAC n° 01/2019, da Secretaria de Cultura e Economia Criativa, do Governo do Estado de São Paulo.

Sobre a diretora

Marcya Harco é diretora, atriz e arte-educadora. Co-fundadora da Cia. Lúdica, de São Paulo, onde dirige, atua e produz desde 1994. Obras: A utopia na Era da Incerteza, Vegan VJ Theatre; Deolindo e Genoveva; A poesia secreta de Andréia; Pedro e o Lobo; O catador de lixo; Em busca da boneca azul e A Aula (La leçon/Ionesco). É Licenciada em Artes Cênicas e especialista em Direção Teatral. Pesquisa processos e meios expressivos híbridos no campo das artes, investigando relações entre corpo, natureza e tecnologia.

Sobre o ator

Paulo Drumond é ator, dramaturgo, diretor e escritor. Licenciado em Filosofia. Co-Fundador da Cia. Lúdica, onde desenvolve as suas dramaturgias, atuações e direções.

Atuou em: A Utopia na Era da Incerteza, Vegan VJ Theatre; Deolindo e Genoveva, A Poesia Secreta de Andréia, A Aula, da Cia. Lúdica. Atuou também nos espetáculos: Besame Mucho, de Mario Prata, dir. Roberto Lage; Minha Nossa, texto e direção de Carlos Alberto Sofredini; O Duelo, de Bernardo Santareno, dir. Roberto Vignati; Rua 10, de Néri Gomide, com dir. Fauzi Arap; A Lira Dos Vinte Anos; de Paulo César Coutinho, dir. de Silnei Siqueira; Vida De Artista, autoria e dir. Paulo César Coutinho; Romaria, de Miroel Silveira, dir. Emílio Fontana; Cordélia Brasil, de Antônio Bivar, dir. Wilma de Souza; Rosa de Luxemburgo, autoria e dir. Dulce Muniz; A Super Flor (Grupo Teatro do Sol), de Walter Quaglia, dir. Silnei Siqueira.

Foi integrante do Grupo de Teatro Mambembe e fundou, juntamente com os outros integrantes do grupo, o Espaço Mambembe.

Cia. Lúdica

A Cia. Lúdica é uma companhia de teatro paulistana, fundada em 1994 por Marcya Harco e Paulo Drumond. Suas obras propõem experiências que buscam propiciar múltiplas percepções sobre o teatro e outras linguagens artísticas, incitando reflexões acerca da condição humana ante a sociedade e o meio ambiente.

Entre os principais prêmios e incentivos recebidos, destacam-se: ProAC 01, da Secretaria de Cultura e Economia Criativa SP com o espetáculo O Cão de Kafka; 32ª Edição do Programa Municipal de Fomento ao Teatro para a Cidade de São Paulo com o projeto A Utopia na era da incerteza; Prêmio Mención Especial Trayectoria/Producción, na 9ª Edición del Festival Teatral de Autor (Caracas - Venezuela) com o espetáculo La Lección;, Viagem Teatral Arte Educação SESI com o espetáculo Pedro e o Lobo; Prêmio Especial Catina Vera, no XII Encuentro Internacional de Teatro Otoño Azul (Buenos Aires/AR) e Prêmio PAC n 22 (Produção de Espetáculo Inédito de Teatro) SEC/SP com o espetáculo A Poesia Secreta de Andréia; Viagem Teatral SESI e Prêmio PAC n° 01 (Produção de Espetáculo Inédito de Teatro) SEC/SP com Deolindo e Genoveva.

Emergência Cuadrante

Emergência Cuadrante é uma produtora de conteúdo audiovisual e cultura eletrônica que nasceu na cidade de Valência, Espanha, pelos artistas brasileiros DeCo N. e Tatiana Travisani e o artista e designer colombiano Luis Miguel Jaramillo.

O Primeiro projeto do trio se dedicou à produção de um micro festival de Arte Sonora e Exploração Audiovisual com artistas europeus e latino americanos que residiam naquela cidade e estudavam na Facultad de Bellas Artes San Carlos. Participaram deste projeto artistas e compositores da Alemanha, Espanha, Argentina, Itália, Venezuela e Brasil.

Retornando ao Brasil, DeCo N. e Tatiana Travisani, decidiram manter a produtora agora com sede em São Paulo, produzindo conteúdo e cursos de Arte Eletrônico em parceria com Sesc 24 de Maio, com Festival Cidade Eletronika, Escola de Artes da Universidade Federal de Alagoas, através do projeto de Live Electronics Clássicos de Calçada. Passaram por festivais no México, Itália, Espanha e diversas cidades do Brasil.

Atualmente, a Emergência Cuadrante colabora com a Cia. Lúdica de Teatro coordenando o conteúdo audiovisual das obras: O Cão de Kafka, A Utopia na Era da Incerteza, Pedro e o Lobo, o Catador de Lixo e Em busca da Boneca Azul. A produtora também está finalizando a trilha sonora do curta metragem Pretume, Prêmio Lei Aldir Blanc.

Opinião da Galera

myClappy
Feed Perfil
Destaques Agenda Teatros
Castings artísticos Cursos de arte Eventos Peças de Teatro Editais Culturais
Posts salvos Conexões